sábado, 28 de agosto de 2010

Tudo Ok! Eis a resposta


109 AUTODOMÍNIOS, MODERAÇÃO E SEUS MOTIVOS DERRADEIROS


Vejo apenas seis métodos profundamente diferentes para combater a violência de um instinto. Em primeiro lugar, pode-se evitar as ocasiões de satisfazer um instinto, enfraquecer e eliminar esse instinto abstendo-se de satisfazê-lo durante períodos mais ou menos longos. Em segundo lugar, pode-se estabelecer uma lei de uma ordem severa e regular na satisfação dos próprios apetites: desse modo são submetidos a uma regra, seu fluxo e refluxo são encerrados dentro de limites estáveis, para ganhar os intervalos em que não incomodam mais; - partindo disso, se poderá talvez passar ao primeiro método. Em terceiro lugar, pode-se entregar-se deliberadamente à satisfação de um instinto selvagem e desenfreado até sentir desgosto para obter, por meio desse desgosto, um poder sobre o instinto: com a condição de não fazer como aquele cavaleiro que, querendo esfalfar seu cavalo, acabou por quebrar o pescoço - o que é, infelizmente, a regra em semelhantes tentativas. Em quarto lugar, existe uma prática intelectual que consiste em associar à satisfação um pensamento doloroso e com tanta intensidade que com um pouco de exercício a idéia da satisfação se torna também cada vez mais dolorosa. (Por exemplo, quando o cristão se habitua a pensar durante o prazer sexual na presença e na zombaria do diabo ou no inferno para um crime cometido por vingança ou ainda no desprezo que incorreria aos olhos dos olhos que mais venera se cometesse um roubo; de igual modo alguém pode reprimir um violento desejo de suicido que lhe veio cem vezes quando pensa na desolação de seus parentes e de seus amigos e às recriminações que farão, e é assim que ele chega a se manter à margem da vida: - pois, a partir de então essas representações se sucedem em seu espírito como a causa e o efeito). Deve-se ainda mencionar aqui o orgulho do homem que se revolta, como fizeram, por exemplo, Byron e Napoleão que consideraram como afronta a preponderância de uma emoção sobre a conduta e a regra geral da razão: daí provém o habito e o gosto de tiranizar o instinto e de alguma forma esmagá-lo. (“Não quero ser escravo de um apetite qualquer.” escrevia Byron em seu diário). Em quinto lugar: tenta-se um deslocamento das próprias forças acumuladas, dedicando-se a um trabalho qualquer difícil e pesado, ou submetendo-se deliberadamente a atrativos e a prazeres novos, desviando assim para outras direções os pensamentos e as forças físicas. Ocorre o mesmo quando se favorece temporariamente outro instinto, dando-lhe freqüentes ocasiões de se satisfazer, para torná-lo dispensador dessa força que dominaria, em outro caso, o instinto que importuna, por sua violência, e que se pretende refrear. Outro também saberia talvez conter a paixão que gostaria de agir como senhor, concedendo a todos os outros instintos que conhece um encorajamento e uma permissão momentânea para que devorem o alimento que o tirano gostaria de reservar para si. E finalmente, em sexto lugar, aquele que suporta e acha razoável enfraquecer e oprimir toda a organização física e psíquica chega naturalmente da mesma forma a enfraquecer um instinto particular demasiado violento: como faz, por exemplo, aquele que mantém esfomeada sua sensualidade e que destrói, na verdade, ao mesmo tempo seu vigor e muitas vezes também sua razão, à maneira do asceta. - Portanto: evitar as ocasiões, impor regras ao instinto, provocar a saciedade e o desgosto do instinto, relacioná-lo com uma idéia martirizante (como a da vergonha, das conseqüências nefastas ou do orgulho ofendido), em seguida o deslocamento das forças e finalmente o enfraquecimento e o esgotamento geral - esses são os seis métodos. Mas a vontade de combater a violência de um instinto não está em nosso poder mais que o método que se adota por acaso e o sucesso que se pode alcançar ao aplicá-lo. Em todo esse processo nosso intelecto não é, ao contrário, senão o instrumento cego de outro instinto que é rival daquele cuja violência nos atormenta, quer seja a necessidade de repouso ou o medo da vergonha e de outras conseqüências lamentáveis ou ainda o amor. Enquanto julgamos lamentar a violência de um instinto, portanto, no fundo é um instinto que se queixa de outro instinto; o que significa que a percepção do sofrimento que tal violência nos causa pressupõe a existência de outro instinto igualmente violento, ou mais violento ainda, e que uma luta se prepara, na qual nosso intelecto deve tomar partido.


Texto retirado do Livro:
AURORA
de
Friedrich Nietzsche


-0-


Somente um oráculo pugnaz como Nietzsche, vivo e acordado; tão lúcido quanto mais se possa ser, mas, principalmente, não comprometido com qualquer empreendimento que seja além daquele que nos mantenha firmes em uma retidão baseada no juízo perfeito e com a visão reta e única de que aprendamos de uma vez por todas que podemos nos transformar em seres pensantes e através dessa mente renovada moldar nossa inteligência para não mais nos amarrarmos a qualquer convenção ou moral pregada que seja além daquela que mantenha-nos livres... enfim, apenas ele também é capaz de esquadrinhar quase tecnicamente este que para a maioria de nós é parte integrante de um dos dilemas mais pungentes que existe, sabedor de que: derrotá-lo é condição sine qua non para termos um mínimo de sossego nesta curta existência antes da próxima experiência.


088.b cqe

Idolatria


Uma confusão comum acontece quando tratamos da questão da idolatria. Falo também da admiração normal e comum a alguém singular.

Trata-se do fato de misturar o autor e sua obra.

Tanto o autor quanto a obra devem ser respeitados, porém é necessário separá-los.

Pode que um autor sem ter uma estrutura psicológica, de conhecimento ou de comportamento adequado consiga dar à luz uma obra sem precedentes e conseqüentemente revolucionária, embora possa ela se tratar apenas da primeira.

Porém quando temos o casamento dos dois, mesmo não sendo comum, eles por si só disseminam a boa nova; situação que geralmente não acontece na causa anterior onde o autor menos evidente depende de alguma terceira pessoa ou terceiro veículo para semear a novidade, ou “vendê-la” até que os ramais necessários sejam atingidos.

Voltando então a idolatria, é preciso que um cuidado especial seja anotado com relação aos autores, principalmente em se tratando do nosso segundo exemplo.

É comum que a obra fique relegada ao segundo plano e passemos a uma admiração exagerada ao autor que nada mais é que um instrumento/autor.

Isso acontece primeiramente devido ao pouco discernimento e falta de sabedoria, por se tratar nós de meros desavisados, porém isso se deve principalmente porque, no nosso desentendimento não sabemos compreender que a obra em si pode desencadear sentimentos; humores; e a abertura de entendimentos que, se buscado apenas no humano pode alongar-se por várias eternidades.

Erradamente então entendemos que estudar a biografia do exímio autor, que dissecar o homem que em alguns casos foi apenas o canal condutor da descoberta. Nutrindo por ele um amor; o idolatrando; mas submetendo a obra a um segundo plano por entender que é mais fácil ou a ordem natural dever ser transferir conhecimento do humano para o humano, é como encantar-se com uma lagarta em transformação e então virar as costas para o que de mais surpreendente ainda está por vir.

091.b cqe

Apontando acertos


Se se fala da animalidade do homem, da incultura generalizada, da falta de amor, de seguir uma moral copiada e adaptada, nunca sensível a modificação dos itens anteriores, diz-se que quem o diz o faz pertencendo ao meio e por isso na melhor das hipóteses é por tratar-se de um dissimulado descontente, mas nunca, jamais enquanto este viver, tentarão entender o porquê tão poucos percebem o que realmente vem acontecendo.

092.b cqe

Não há saída fácil


Não há salvação na doutrina da mosca,
ou morremos como uma tartaruga
ou renascemos.

089.b cqe

Não há saída fácil II


De um tipo de procrastinar involuntário

"O cristão jamais aprenderá a ler

porque só aprendeu a confiar

em interpretações de terceiros."
De um membro indu da organização RSS em discurso em Nova Deli.


087.b cqe

A lei não é para todos


É errado que a lei seja para todo mundo.
A lei serve para direcionar pessoas com problemas de comportamento.
O problema é que é difícil encontrar alguém que não o tenha
e raramente, quando isto se dá,
indubitavelmente o que temos
é um infeliz a deparar-se com desiguais
muito “aquém”desse entendimento.

090.b cqe

domingo, 22 de agosto de 2010

Esperança é pra quem espera


O Que?
Como ousas atacar inclusive a esperança!
Como?
Este que é o único estandarte a sobrar
entre toda essa moral hedionda e sem sentido até então,
tão zelosamente pregada!
086.b cqe

Tao


Quanto será há dentro do que nada parece conter?
081.b cqe

Esquizoidia é bom


Nasci míope. É a natureza acenando para a minha esquizoidia
085.b cqe

Incorruptível


Não sendo do meio mais terá utilidade a sua inteligência
se ali tiveres alguma necessidade de permanecer.
Por outro lado se não,
sobrevirá obviamente,
por já não passar você de uma apófise.

083.b cqe

Anônimo

Esforços vãos que não voltam


Conheço um amiga que perdeu a tesão pela vida.
Lutou bravamente tentando mostrar a vida aos seus mais próximos.
Nada conseguiu além de um dissabor geral, e finalmente afastou-se.
Vencida engrossa a fila daqueles que vivem uma existência arrastada.
Desanimada, triste e um tanto desgostosa por ter falhado.
Gasta seus dias revirando obituários.
E enquanto avista gratuitos desafetos pipocando em colunas fúnebres.
Imagina se em meio a tristeza, os antigos afetos
Que ainda sobrevivem... em meio a dor.
Lembrar somente agora, em vão.
O quanto vãos tornaram seus esforços.
080.b cqe

Do que vive o fraco


O passado pendente deles obriga-os a lembrar o meu já há muito morto,
acreditando não ser isto possível. (livrar-se de volume incômodo).
Como?
Como?
Indagam em seus pensamentos atuais camuflados com doses anódinas não percebidas e que, mesmo acrescida de choro, provocando assim um torpor ilusório ainda maior, é finda.
Quando então finalmente, convencidos e fatigados entenderão:
É, foi-lhe permitido o presente.
084.b cqe

sábado, 14 de agosto de 2010

O Caminho abaixo do meio


Ainda como humano há um paliativo eficaz:
ser uma raiz;
a mais profunda,
que visa o constante: pra baixo,
que busca a riqueza escondida
na mais profunda escuridão,
este, quando torna,
dá à luz o mais raro dos espécimes.
081.b cqe

Pessimismo positivo



O bom pessimismo, o pessimismo aceitável, o pessimismo crítico evolutivo, quem sabe o que é isto, o que isto significa?

É interessante que Nietzsche se refira ao alemão como um povo pessimista quando ele mesmo pode ser facilmente confundido, até por um não laico, como um pessimista e tanto.

083.b cqe

CÓDIGO JEDI


"There is no emotion, there is peace."
"There is no ignorance, there is knowledge."
"There is no passion, there is serenity."
"There is no death, there is The Force."

Não existe emoção, existe paz.
Não existe ignorância, existe conhecimento.
Não existe paixão, existe serenidade.
Não existe morte, existe A Força.

Precisamos apenas lutar,
porém lutar
com a consciência plena do seu significado;
com o coração,
imaginando que nem sempre
A Força
virá na hora derradeira.
084.b cqe

Compreendimento puro


Para Nietzsche, o homem paradoxal, como seria entender que justamente a piedade, parecida com a por ele combatida, salvaria, mesmo que disso não precisasse; o próprio e seus golpes contundentes em forma de pensamentos, magnificamente acertados e intangíveis para muitos em compreendimento; no grau inverso jamais atacável mesmo que, repito; pouco ou nada disso lhe interessasse ou acreditasse (ser salvo), até porque esteve sempre voltado para a essência, jamais se importando se o pensar nato fosse avaliado como impróprio por um mundo datilógrafo, classificando-o até como grosseiro.

Então por conta disto, membros tão inteligentes quanto religiosos, arraigados em pesquisas, aos poucos não apenas compreendem como se martirizam, e impregnados, justamente da piedade já sublinhada entendem, muito aos poucos, quanta compaixão pode existir em um coração doente e solitário, no entanto, e quanto mais, ainda será descoberto por entre marcas que por muito tempo permanecerão ininteligíveis por entre os sinais deste maldito anticristo.
085.b cqe

Transando-se de jogador



Indignados ainda mais, ficam aqueles que percebem e aqueles que não também, que me valha de baixezas, própria suas, para sobreviver em meio à escória infetuosa que designam como “seu grupo” 

*

O Ministério do Desentendimento adverte:
O não aceite desta máxima é o meu canhoto de aceite.
*
Grupo que ascende mais que os demais, seus iguais que não sabem como, ou o que significa o sofrer paciente e talvez por muito tempo ainda; e mesmo não sabendo que o fazem, não imaginam também por quanto tempo isto se estenderá.

080.b cqe

Evoluímos pô! Somos gente


Vivia-se mais em paz nos tempos primitivos, se algo não funcionasse íamos ao altar e sacrificávamos uma cabra. E se não acalmávamos os deuses de plantão, pelo menos aplacávamos aquela maldita insegurança em faltas menos importantes, que agora julgamos com um misto de escárnio e assombro, nós mesmos, por já nos considerarmos Neandertais mentalmente evoluídos.

Hoje o sacrifício é pessoal. Lento e paulatino; durante uma vida toda... Queimamos em banho maria, como se fossemos o galo mais duro que existisse, mesmo sabendo o quanto isto é mentiroso. Nosso sexo nem de longe deveria lembrar este símbolo máximo de Altivez e Virilidade.

Como se fizéssemos parte de algum experimento, aonde nossas energias vão sendo drenadas aos poucos por mãos hábeis de algoz conhecedor, que ao ministrar a dose certa, mantém viva a presa ao seu bel prazer até que a experiência ou no caso aqui, suas necessidades sejam totalmente satisfeitas.

Voltando; o ritual de sangramento do bode ou de um inimigo capturado de outra tribo deixou de fazer sentido, afinal evoluímos e o que sobrou para nós humanos desenvolvidos, consumistas sobreviventes aos impérios sangrentos mais diversos, foi o sexo e as drogas lícitas ou não para abrandar uma mente doente e atormentada que se equilibra sobre uma massa vaidosa tão falível quanto sua comandante.

Fato é que não está resolvendo. Continuamos engolindo toda espécie de sapo por nada, e, como os altares foram destruídos, continuamos. Entendendo que mudarmos de fornecedor de batráquios não resolverá o problema.
082.b cqe

segunda-feira, 9 de agosto de 2010