domingo, 27 de outubro de 2013

Plano da felicidade



        Perguntei então ao mestre, por que temos a impressão de que com frequência damos preferência, ao nos recordamos: às coisas ruins às boas?

        É porque as ruins são daqui, deste plano, respondeu; já as boas, assim que ocorrem são armazenadas no plano da felicidade, muito além daqui – e são mais difíceis de serem acessadas -, e lá, existirão para sempre assim como nós. Já as ruins permanecerão eternamente aqui, acessíveis apenas enquanto habitarmos este plano exíguo onde impera muita tristeza.

012.f cqe

Uivo não ordinário




A minha vivência cotidiana atual; o grupo de ações – que aqueles que me assistem assistem - que poderiam ser classificadas como banalidades externas e descartáveis dentro de um executar mecânico ainda que me mantenha mediocremente existindo como um sobrevivente social, responde em parte o grito contido na minha escrita, mas pode que esta escrita seja exatamente, fruto deste grito contido!?!
011.f cqe

sábado, 19 de outubro de 2013

Ainda um pouco mais sobre contextualização



Ao mesmo tempo que precisamos rever, vencer, excluir, contextualizar e erradicar dogmas é preciso ter coragem para em meio a uma argumentação generalizadamente tendenciosa e oportunista voltar a falar de valores, amor, continuidade da vida, transcendência em um sentido mais cientista e menos religioso, de uma ciência voltada para o todo coletivo sem prêmios ou benefícios maiores para o cientista ou para quem quer que seja. Falarmos em igualdade, e eliminar desinteresses outros que não seja o bem comum. Promover a doação, não como um sentido do doar-se vinculado a uma seita, religião ou doutrina, mas a soma do pouco que gera o muito, sem outro interesse que não seja o seu próprio (não egoísta) através da evolução do todo; do meio.

010.g cqe

Rumo ao Denso Indestrutível



         A busca compara-se a um desses homens de governo que são utilizados em missões especiais. Pode; que se passem anos sem que ele seja escalado para um trabalho que realmente lhe interesse, para o qual fora preparado, e ainda assim ele continua exercitando-se como nunca, e a postos. (assisti a um filme recentemente onde o atirador ficou dois anos indo para um mesmo local montar guarda sem que pudesse; sem que fosse autorizado a atirar uma única vez)

         O verdadeiro buscador não reclama, não desiste, extingue a vida ora imaginando, ora parecendo, ora acreditando nada ter aprendido... e continua. Paciência é a sua maior virtude. A não espera. A não expectativa. Porém é um inconstante no que diz respeito ao acômodo. Por entre aquela mansidão de samurai experiente, há, corrói-lhe, silenciosamente, um turbilhão de energia que somente ele sente... ou a ele faz sentido. Está blindado dentro de sua alma que, ainda que serena, está invisivelmente ativa para o observador externo. Mas sabe ele que é este ativar regulado, nivelado, equalizado que aos poucos o está conduzindo para o Denso Indestrutível.  

É certo e saudável que conservemos o espírito arguto. É somente o ser inteligente que sabe à hora do saber para então eliminar o invólucro e retirar o néctar precioso. Sabe ele que os segredos do existir somente se darão de forma limpa e total quando uma série de conjunções próprias à isso dar cabo estejam alinhadas. É também por isso que se deve estar sempre preparado.

009.g cqe

domingo, 13 de outubro de 2013

Como continua depois que termina?



Ao final da versão de Anna Karenina 2012, filme baseado no romance de Liev Tolstoi, dois pontos particulares vieram-me a mente durante as inegociáveis discussões que travamos sempre após um filme, ou de uma história significativa.

        Uma diz respeito a um determinado amigo inconveniente que insiste na pergunta “como continuam as histórias de amor depois que elas acabam?”. Defende ele a tese de que todas as histórias de final feliz somente assim o são porque é somente até ali que são contadas – é um sujeito intragável.

         Questiona o seu continuar; questiona o: “felizes para sempre”. É claro que é uma brincadeira sem maior importância, mas é de se perguntar: que tipo de pessoa triste, mal amada, amarga, levanta um questionar tão impertinente? Será ele também resultado ou outro personagem de uma história sem final feliz?

        E no segundo momento, lembrei também de uma amiga, esta, já mais estudada, ligada a turma dos especialistas que quase garante, embora somente não o faça porque não dou o braço a torcer de perguntar incisivamente sobre a questão, mas, garante ela, que a paixonite aguda, em sua maioria esmagadora, não passa de dois anos, diz ela: “coisa de cerebelo”. Vai saber!?!

         Independentemente de estas questões colocadas serem descabidas ou não, fato é que a história de Anna é especial para que uma série de perguntas surja e polemize este, ou o entorno deste que é o moto condutor principal do ser humano, diria eu (contrariando até algumas pirâmides científicas que existem por aí), após a luta pela sobrevivência: o amor.

         Da minha parte, a questão visceral após estas duas colocações externas inicial: tem mais a ver com a tristeza, as tragédias, as grandes tragédias. É só assistir Shakespeare (que me perdoe o Liev), por exemplo – a que precipício é lançado todos aqueles que optam pelo ímpeto da escolha desarrazoada do amor ao invés de abdicar deste momentâneo instinto que no mais das vezes – é inegável - é carnal. Por ter sido untado em nossos trabalhados humores sociais humanos: orgulho, vaidade e competição (conquista).

         É de um impulso também, que anoto a expressão: desarrazoado. Porque todo o apreciador destas historietas entende que não é fácil que os protagonistas esperem algum tempo até que encontrem um caminho, lógico, legal, digno, aceito pela sociedade; – este é quase impossível – para que aí, os ofendidos ou contrariados na, ou à situação, entendam e aceitem o amor até então impossível ou adormecido ou, finalmente sobrepujado e levado então as somente (como se vê na película) iniciais e não raro: fugazes, inflamantes e impensadas entregas.

         Quero dizer que no mais das vezes, a felicidade momentânea; de súbito, não superará o peso, digo, o amor exacerbado, voluptuoso, torrencial. Parece-nos, num primeiro momento: similar a um gozo, uma ejaculação, ou seja, tem início e fim e o fim é fátuo por eminência, e também como se faz ao escolher furtivamente a primeira cama assim que os amantes se entendam donos da situação, enquanto o sangue aumenta a pressão arterial, quando, é bastante comum; cessada a ardente seção, já durante o cigarro, ao pé da cama: um sentimento estranho de que parecia ser melhor (ao olhar para trás onde a já não mais tão bela assim relaxa) que naquele instante estivesse só ao dar a última tragada. É mais ou menos isto que acontece, - ou nos parece que é esta a sensação que alguns autores tentam nos passar - após tomada a escolha de raptar a amada de sua vida infeliz ao lado do escolhido anterior.

         Somado a isso, temos a minha amiga que garante (no início deste) que o cerebelo está por trás de tudo, incentivando o que é certo, ou seja, o que é certo para ele, que tudo já está programado para ter um fim; que a contagem dos dois anos é iniciada após o primeiro encontro. Digo que não é fácil.

         O romance de Tolstoi é provocador justamente porque ele embaralha – e é assim que uma boa história deve ser – a razão e o sentimento. O sentir nos joga na correnteza da ação mais ou menos pensada – mais pra menos. Enquanto a razão, em meio ao pensamento que sofre a privação, pondera e age como uma trava, como uma porta cerrada que prende a ação impetuosa, a ação impensada, e, provocativamente, desmentindo isto tudo, já no início da história, ele deixa claro que nem todos estão preocupados com as etiquetas do certo e errado convencionado pela sociedade vigente. E cutuca quando alguém diz a Anna que prefere sofrer pelo feito a chorar um desejo abortado.

Para alguém dado ao pensar é bastante fácil, ao deparar-se com esta história, deixar-se levar pela razão e chegar a conclusão de que o amor verdadeiro é raro ou mesmo não é para nós, meros mortais de pensar atrofiado. E que ele, habitualmente, leva à tristeza e a infelicidade.

Mas, não sejamos como o amigo do exemplo primeiro e, é claro, que todos nós temos o direito ao nosso naco de felicidade, é só aprender como agir – ou não!?!

008.g cqe

Nietzsche nos incentivou a ousar...



...mas deixou claro, que se se dedicar a isso: faça-o com inteligência.     

Nada mais justo que também nomear Nietzsche como o primeiro e único Artista do Pensamento Surreal. Nietzsche - além de tudo o mais - provou pra nós que o analisar não tem limites, que podemos, ou que poderíamos pensar o absurdo (ou não) do que poderíamos ter sido ao trilhar outros caminhos (pré-pensados), mas por outro lado – o seu efeito: o absurdo que somos por ter escolhido os caminhos que escolhemos (impensados ou pensados a roldão). Talvez, então, boa parte do pensamento de Nietzsche possa ser resumida apenas nisso; que não há limite para o nosso pensamento, porém ele bateu pesado em todos aqueles que ousaram agir em descumprimento a esta regra básica: na tomada de ação sem um discernimento de pensar mínimo.

007.g cqe

domingo, 6 de outubro de 2013

Não ao radicalismo estúpido XXI



Ao observar alguns autores que: mais por esperteza que por estudo, mais por inteligência que conhecimento; descobriram no questionar a existência de Deus um filão econômico que os está deixando tão poderosos que até mesmo Ele; entendem poder desafiar, temos para estes uma única e simples colocação...

A fé é cega, mas quem tateia no escuro é a ciência.

 

“A ciência sem a religião é manca,

 a religião sem a ciência é cega.”

Albert Einstein

006.g cqe

“Não acredito; estou vivo”



Aquele que transgrediu as leis morais da convivência social, esquecendo-se da igualdade equânime e harmônica (inconscientemente ou não), somente adquirirá a consciência de seus atos após a morte, em algum espaço tão inquestionável quanto. Quando descobre estarrecido, que continua vivo.

005.g cqe