sábado, 15 de julho de 2017

Dando sentimento a “coisa”



Do maquinal e do instintivo - Ainda que paradoxal, descabido, nonsense, o homem de pensar materializado que insiste na insensibilidade da máquina por si só, a utiliza tão somente ao fim proposto, forçando-a sem que sua forma relaxada/descuidada interfira em seu pensamento; ao contrário do homem de sentimentos - justamente este que entende a impermanência da matéria - que acertadamente observa com reservas o ser progresso; entende ser imperativo considerar a máquina também provida ou digna de sentimentos.




040.n cqe